Joelho

A equipe de Ortopedia da Rede Mater Dei de Saúde conta com um Grupo de Cirurgia do Joelho, composto por dez especialistas, aptos a diagnosticar e tratar todas as patologias desta articulação, que são divididas em quatro grupos:

As doenças inflamatórias e degenerativas, como as artrites e artroses, as sinovites e algumas infecções;

Os distúrbios da articulação da patela, como a dor anterior, as luxações fêmoro-patelares e as condropatias;

Os traumatismos, como fraturas na região do joelho e outras lesões causadas, por exemplo, em quedas e acidentes;

As lesões esportivas, que envolve tanto a traumatologia do esporte, quanto as lesões por sobrecarga na articulação.

O joelho é subdividido na articulação do fêmur com a tíbia (fêmoro-tibial) e do fêmur com a patela (fêmoro-patelar). Possui vários ligamentos, sendo os principais: cruzado anterior, cruzado posterior, colateral medial e colateral lateral e ligamento fêmoro-patelar medial. Existem dois meniscos, o medial e o lateral, a cartilagem articular e a membrana sinovial, que produz o líquido sinovial, lubrificante natural das articulações.

Artrose no joelho

O que é?

A artrose é uma doença que causa a degeneração da cartilagem, dos ossos e demais estruturas articulares e está associada a idade (artrose primária) ou a lesões prévias que alterem o equilíbrio da articulação (artrose secundária). A doença é crônica e progressiva e pode ocasionar dor, rigidez e perda de função do joelho acometido.

Causas:

No caso de pacientes com idade acima de 60 anos, a artrose primária é causada como consequência do desgaste natural da articulação. Já em pacientes mais jovens, ela pode ser secundária a pré-disposição genética, obesidade, doenças reumáticas sistêmicas e como seqüela de trauma e infecção.

Sintomas:

O principal sintoma é a dor na articulação, durante a movimentação e a prática de exercícios. Entretanto, a artrose pode gerar a perda progressiva da função do joelho, além de deformidade local. Os sintomas dependem muito do estágio da doença, que pode ser  diagnosticada em uma fase inicial ou mais avançada, quando o desgaste é maior.

Tratamentos:

Apesar de não ter cura, existem tratamentos indicados na artrose que tem como objetivo melhorar a qualidade de vida do paciente e tentar evitar a progressão da doença. Entre as principais medidas conservadoras, estão os medicamentos e nutracêuticos, infiltrações, fisioterapia, fortalecimento muscular, uso de bengalas e andadores.

O uso das medicações chamados condroprotetores ( protetores de cartilagem) aumentou nos últimos anos e pode ajudar na melhora da dor principalmente nas fases iniciais da artrose.

Outra opção de tratamento, que vem sendo utilizada nos últimos anos, é a viscossuplementação (infiltração com análogos do àcido hialurônico).  Ela melhora a qualidade (viscosidade) do líquido sinovial, que está alterado nos pacientes com artrose, e podem trazer com isto um alívio temporário da dor.

A base do tratamento conservador é proporcionar e incentivar a prática de exercícios físicos regulares, que é a melhor forma de aumentar a qualidade de vida do paciente e melhorar o prognóstico da doença.

O tratamento cirúrgico visa principalmente o controle da dor e a recuperação da função do joelho acometido. O tratamento cirúrgico é indicado para os casos mais graves ou para pacientes em que o tratamento conservador não trouxe o alívio desejado. As cirurgias mais realizadas para o tratamento da artrose são as artroscopias, para toalete articular (em casos muito selecionados), as osteotomias (correção do eixo) e as artroplastias (colocação de prótese), que seria, a princípio, o procedimento definitivo.

Lesão do Ligamento Cruzado Anterior (LCA)

O que é?

O LCA é um dos cinco principais ligamentos do joelho. Composto de dois feixes que atuam de forma sincronizada, o LCA estabiliza o joelho, evitando que a tíbia se desloque para frente do fêmur. A lesão (ruptura) pode ser completa ou parcial (quando apenas um dos feixes se rompe). A ruptura do LCA pode causar a instabilidade no joelho.

Causas:

A entorse de joelho, no ambiente doméstico ou durante atividades físicas e esportivas, é a causa mais comum de lesão do LCA. No nosso meio, é mais freqüente na prática de futebol. O ligamento é lesado, com mais frequência, em esportes que exigem muita rotação, desaceleração, mudanças de direção, saltos e aterrissagem. Também existem poucos casos devido a lesões por hiperextensão desta articulação como nos “chutes no ar”.

Sintomas:

Os sintomas podem ser divididos em agudos e crônicos.

No momento da lesão, pode ocorrer um estalo seguido de dor e derrame articular (aumento do volume de líquido no joelho).

A instabilidade do joelho é o principal sintoma crônico. A sensação de insegurança e deslocamento eminente do joelho pode acontecer.

Tratamento:

O tratamento da lesão de LCA é individualizado, ou seja, cada caso deve ser avaliado cuidadosamente pelo especialista em cirurgia de joelho. O tratamento poderá ser cirúrgico ou conservador. Para definir a melhor conduta, é preciso avaliar o grau da instabilidade do joelho e a rotina do paciente (atividades profissionais e esportivas praticadas). O objetivo do tratamento é evitar novos episódios de entorses, o que pode causar lesões de outras estruturas do joelho.

Quando indicado o tratamento cirúrgico, a artroscopia permite a realização da cirurgia por pequenas incisões. O ligamento lesionado é substituído por um novo ligamento, obtido por retirada de um enxerto de tendões do próprio paciente. A técnica cirúrgica pode ter pequenas variações e o cirurgião vai escolher a melhor opção para cada caso.

O tratamento conservador, ou seja, sem cirurgia, consiste no fortalecimento seletivo de grupos musculares dos membros inferiores, na tentativa de compensar a insuficiência do LCA, visando a manutenção do padrão de estabilidade, protegendo a articulação de danos adicionais.

Lesão do Ligamento Cruzado posterior (LCP)

O que é?

Assim como o LCA, o LCP tem a função de estabilizar a articulação, evitando que a tíbia se desloque para trás do fêmur e aumentando a tensão articular. Ele também é composto de dois feixes. Quando há uma lesão do LCP, a articulação pode apresentar vários padrões de instabilidade, de acordo com as lesões associadas.

Causas:

Apesar de não ser tão comum quanto a lesão de LCA, a ruptura do LCP normalmente está associada a traumas de maior impacto, como ocorre em acidentes de trânsito. A lesão  pode acontecer durante a prática esportiva, principalmente em esportes de maior contato e alta energia, como o futebol americano ou artes marciais.

Sintomas:

Normalmente, a lesão do LCP causa dor e derrame no joelho, na fase aguda. Já na fase crônica, a dor normalmente se apresenta na parte anterior e medial da articulação. Alguns pacientes também se queixam de instabilidade no joelho.

Tratamento:

O tratamento das lesões do LCP devem ser indicadas de acordo com as queixas do paciente. Entretanto, ao contrário das lesões de LCA, a maioria realiza tratamento conservador, ou seja, sem cirurgia, sendo o tratamento cirúrgico reservado para casos selecionados. A fisioterapia e o fortaleciomento muscular são os mais indicados.

Os tratamento cirúrgicos acontecem em casos com grande frouxidão posterior ou em lesões associadas de outros ligamentos, o que leva a maior instabilidade. A indicação de cirurgia pode se aplicar àqueles pacientes que não responderam bem aos tratamentos conservadores e continuam se queixando de dor e/ou instabilidade.

Lesão de Menisco

O que é?

Os meniscos são estruturas fibrocartilaginosas, em formato de meia lua, de consistência semelhante à de uma borracha.

Localizados entre o fêmur e a tíbia, os meniscos medial e lateral atuam aumentando a congruência (melhorando o encaixe) desta articulação. Exercem ainda várias funções, como amortecer o impacto, auxiliar na lubrificação, estabilização e distribuição de cargas no joelho. Atuam em conjunto com outras estruturas capsulares e ligamentares do joelho, formando um cinturão de estabilidade e proteção.

A lesão dos meniscos prejudica essas funções de proteção e expõe a cartilagem ao desgaste, precipitando o processo de artrose da articulação.

Causas:

Existem dois padrões de lesão dos meniscos:

As lesões traumáticas, que ocorrem em entorses de joelho ou movimentos bruscos são as principais causas de lesões meniscais em jovens.

Já em pessoas acima de 50 anos, as lesões de menisco são de caráter degenerativo, causadas pelo desgaste natural e perda das propriedades viscoelásticas dos meniscos.

Sintomas

Dor localizada nas bordas internas ou externas do joelho (dependendo do menisco lesionado) é o principal sintoma da lesão de menisco. Dor para agachar ou ao girar, como ocorre ao entrar e sair de carros, dor relacionada a alguns esportes com carga em flexão ou impacto sobre os joelhos. Algumas lesões podem levar ao derrame articular com consequente sensação de pressão articular.

Tratamento

O uso de antiinflamatórios, gelo e fisioterapia são indicados para os pacientes em que se opta pelo tratamento conservador. O controle das atividades é fundamental para o bom resultado do tratamento. No caso de necessidade de cirurgia, a vídeo-artroscopia é realizada para a remoção do fragmento meniscal lesionado ou para a sutura ou reparo do menisco. A técnica de escolha depende de vários fatores do paciente e do tipo de lesão presente. A preservação da função dos meniscos é fundamental para a boa evolução do paciente. Desta forma, devemos sempre nos preocupar com a proteção destas estruturas importantes na biomecânica do joelho.

Lesões da cartilagem articular

O que é?

A cartilagem hialina é formada, principalmente, por colágeno, água e células específicas, chamadas de condrócitos. O tecido fibroelástico reveste as nossas articulações amortecendo o impacto e suavizando o deslizamento entre as superfícies ósseas. A cartilagem não possui vasos sanguíneos, linfáticos ou inervação, por isso tem baixo potencial de se regenerar.

Causas:

As lesões de cartilagem pode ter causa degenerativa, traumática e também secundária a outras doenças inflamatórias.

Sintomas:

Os pacientes podem apresentar dor, inchaço e travamento da articulação envolvida.

Tratamentos:

Apesar do baixo potencial de regeneração, as lesões de cartilagem podem ser tratadas de maneira conservadora (com uso de medicamentos e fisioterapia), ou  cirúrgica. O médico deve avaliar cada caso e indicar o melhor tratamento. No caso de opção por cirurgia, existem diversas técnicas a serem escolhidas, de acordo com as características da lesão e do paciente:

Condroplastia: Regularização da lesão, ou seja, abrasão do entorno e da superfície da lesão.

Microfraturas ou Nanofraturas: realização de pequenos orifícios no osso exposto para estimular sangramento local e a formação do tecido cicatricial fibrocartilaginoso.

Mosaicoplastia ou enxerto osteocondral: Retirada de um fragmento de ósseo revestido com cartilagem de um local que não recebe carga do próprio paciente e transplantá- lo para a área da lesão.

Membrana de colágeno: Inserção de material moldado de membrana de colágeno, preenchendo a lesão, associado a microperfurações locais.

Transplante de condrócitos:

Realiza-se se uma coleta cirúrgica do tecido cartilaginoso, num primeiro tempo, seguido de uma cultura das células de cartilagem obtidas, em laboratório, que serão reimplantadas em um segundo procedimento.

Luxação da patela

O que é?

A patela é um osso responsável por aumentar a força de extensão do joelho. Ela corre em um trilho no fêmur, que se chama tróclea. A estabilidade da patela nesse trilho depende da conformação óssea e do equilíbrio de estabilizadores ligamentares e musculares. Quando a patela sai desse trilho temos uma luxação (deslocamento articular).

Causas:

Alguns pacientes tem fatores anatômicos que comprometem a estabilidade da patela e podem desenvolver quadros de desequilíbrio, de subluxação ou de luxação. Quando ocorre um episódio de luxação completa, comumente para o lado lateral do joelho, um ligamento chamado de fêmoro-patelar medial se rompe, comprometendo ainda mais essa estabilidade, o que pode levar a um quadro de luxação recidivante de patela.

Sintomas:

O paciente pode apresentar somente dor e sensação de insegurança, queixar de falseios e até episódios de deslocamento completo da patela, quadro que causa muita dor e pode necessitar de redução (colocar a patela no lugar) em pronto atendimento. É comum a patela voltar para o lugar imediatamente após o episódio (redução espontânea).

Tratamentos:

O tratamento do primeiro episódio de luxação é conservador na maioria dos casos sem lesões associadas. Pode se obter a estabilidade através de reforço muscular seletivo e treinamento neuromuscular, para reequilibrar a patela. Porém, alguns casos evoluem mal, com um quadro de luxação recidivante, que tem indicação de cirurgia. O objetivo do tratamento é estabilizar a patela e prevenir novos episódios de luxação, que são danosos à cartilagem articular e podem levar a artrose tardia desta articulação.

São várias técnicas cirúrgicas descritas, cuja indicação  depende das características anatômicas do joelho. A mais frequente é a reconstrução do ligamento fêmoro-patelar medial. Uma artroscopia para tratamento da cartilagem e procedimentos ósseos simultâneos podem ser necessários.

Especialistas

Dr. Marcos Cenni

Especialidade(s): Joelho

CRMMG: 28.291 TEOT: 6714

Rua Paracatu, 1026, sala 502, Santo Agostinho - Belo Horizonte
31 2104-7500

Graduado pela Faculdade de Medicina da UFMG, o médico fez residência em Ortopedia e Traumatologia e especialização em Cirurgia do Joelho e Artroscopia no Hospital das Clínicas da UFMG. Membro titular da Sociedade Brasileira de Traumatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho, da Sociedade Brasileira de Artroscopia, da Sociedade Brasileira de Trauma Esportivo, da Sociedade Latino-americana de Cirurgia do Joelho e Trauma Desportivo e da Internacional Society of Arthroscopy, Knee Surgery and Orthopaedic Sports Medicine. O ortopedista possui cursos de aperfeiçoamento em cirurgia do joelho nos EUA, em Naples(FL) e Raynham (MA).

Dr. Oscar Pinheiro Nicolai

Especialidade(s): Joelho

CRMMG: 26575 TEOT: 6715

Rua Paracatu 1026 - sala 502 - Santo Agostinho
31 2104-7500

Graduado em medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais, o médico fez residência em Ortopedia e Traumatologia no Hospital das Clínicas da UFMG e se especializou em Cirurgia do Joelho no Hospital Ortopédico.  Dr. Oscar é fellow em Ortopedia e Reabilitação Esportiva pelo Hospital do Coração,São Paulo e fellow em Cirurgia do Joelho pelo Centre Orthopédique Santy, em Lyon-França. Diretor de perícias médicas da Polícia Civil de Minas Gerais, ele é membro titular da SBOT, da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho, da Sociedade Brasileira de Artroscopia e membro associado da International Society of Arthroscopy,Knee Surgery and Orthopaedic Sports Medicine.

Dr. Heleno Alves Freitas

Especialidade(s): Joelho

CRMMG: 26179 TEOT: 7057

Rua Grão Para n°648 - Santa Efigênia / Ortocenter
31 3241-1147

Graduado pela Faculdade de Medicina de Itajubá, o médico realizou sua residência em Ortopedia e Traumatologia na Santa Casa de Belo Horizonte e se especializou em Cirurgia de Joelho pelo serviço do Dr. Neylor Pace Lasmar . O ortopedista é membro da comissão de Ética da Rede Mater Dei de Saúde,  da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Joelho e da Sociedade Brasileira de Artroscopia.

Dr. Ricardo Lucas Rodrigues

Especialidade(s): Joelho

CRMMG: 23984 TEOT: 8540

Av. Barbacena 1018 - sala 806 - Santo Agostinho
31 2555-1862

Graduado em medicina pela Universidade Estadual de Montes Claros, fez residência médica em Ortopedia e Traumatologia No Hospital Mater Dei e especialização em Cirurgia de Joelho no Hospital Ortopédico. É também membro efetivo da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho, da Sociedade Brasileira de Traumatologia Desportiva e da Sociedade Latino Americana de Artroscopia Rodilla y Deporte. Além disso, é membro titular da Sociedade Brasileira de Artroscopia e internacional da AAOS (American Academy Orthopaedic Surgeons) e da ISAKOS (International Society Arthroscopy ,Knee Surgery & Orthopaedic Sports Medicine).

Dr. Lúcio Flávio Biondi Pinheiro Junior

Especialidade(s): Joelho

CRMMG: 29437 TEOT: 6712

Rua Grão Para n°648 - 2º andar - Santa Efigênia
31 3344-2777

Graduado em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais, o médico realizou sua residência em Ortopedia e Traumatologia e subespecialização em Cirurgia do Joelho no Hospital das Clínicas da UFMG. O ortopedista realizou estágios internacionais no Department of Orthopaedic Surgery Buffalo General Hospital e no Department of Orthopedics and Traumatology – Fakulty of Medicine – Martin Luther University – Halle(Saale) – Germany. Além de já ter sido diretor da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho – Regional MG-ES – (2011/2012), Dr. Lúcio é membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho, da Sociedade Brasileira de Traumatologia do Esporte, do Grupo de Joelho da Rede Mater Dei de Saúde, da ISAKOS (International Society of Arthroscopy, Knee Surgery and Orthopeadic Sports Medicine) e da Sociedade Latino Americana de Artroscopia, Rodilla y Deporte (SLARD).

Dr. Daniel Gonzalez Pinto Coelho

Especialidade(s): Joelho

CRMMG: 39883 TEOT: 11854

Rua Ouro Preto 1016
31 36583847

Graduado pela Faculdade de Medicina de Itajubá, o médico fez residência em Ortopedia e Traumatologia no Hospital Mater Dei.  É fellow em Cirurgia do Joelho pelo Hôpital Privé Jean, em Lyon – França. O médico também é membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho, da ISAKOS (International Society of Arthroscopy, knee surgery and Orthopaedic Sports Medicine) e da AO Trauma Latin America.

Dr. Thiago Daniel

Especialidade(s): Joelho

CRMMG: 55927 TEOT: 14473

Rua Ouro Preto 1016
31 36583847

Graduado em medicina pela Faculdade Unifenas, Dr. Thiago Daniel fez residência em Ortopedia e Traumatologia no Hospital Mater Dei e especialização em Cirurgia do Joelho no Hospital Universitário Ciências Médicas de Minas Gerais. Membro titular da SBOT, o médico tem se atualizado constantemente participando de cursos dentro e fora do Brasil, como “Ligamentos colaterais do Joelho”, no Arthrex Learning Center, Brasil; “Lower Extremites Cadaveric Course”, em Homer Stryker Center, nos Estados Unidos e “Knee Couser Master” em Arthrex Center, também nos Estados Unidos. O ortopedista também é médico do esporte e exercício físico titulado pela Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte.

 

 

 

Dr. Felipe Naves Kalil

Especialidade(s): Joelho

CRMMG: 55705 TEOT: 14174

Rua Desembargador Jorge Fontana 428 - sala 428
31 3283-9601

Graduado em Medicina pela Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais, Dr. Felipe Kalil realizou residência em Ortopedia e Traumatologia e especialização em Cirurgia do Joelho no Hospital Universitário Ciências Médicas de Minas Gerais. O ortopedista realizou fellowship em Sports Medicine pela UPMC, em Pittsburg University, com o professor Freddie Fu, e é membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho. O médico também é professor convidado da disciplina de Ortopedia do curso de Medicina da Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais e ortopedista da equipe principal do Clube Atlético Mineiro desde 2016.

Dr. Marcelo Amorim

Especialidade(s): Joelho

CRMMG: 50293 TEOT: 13980

Graduado em medicina pela Universidade do Vale do Sapucaí, o médico realizou sua residência em Ortopedia e Traumatologia na Universidade Federal de Juiz de Fora e especialização em Cirurgia do Joelho no Hospital Biocor. O ortopedista é pós-graduado em Perícia Médica pela FELUMA. Dr. Marcelo é membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho, da Sociedade Brasileira de Medicina Hiperbárica, da AO LATIN AMERICA e da Internacional Society of Arthroscopy, Knee Surgery and Orthopaedic Sports Medicine. Em 2015, o médico esteve em The Steadman Clinic/Steadman Philippon Research Institute – Vail – CO/EUA, realizando “Observership in Orthopedic Sports Medicine”, sob orientação do Dr. Robert F LaPrade. Sempre se atualizando, o ortopedista conta com quatro participações nos cursos da AOTRAUMA, além de MasterClass em Artroplastia Total do Joelho Mis Primária e Revisão no Miami Anatomical Research Institute; Latin America Master Knee Course em Naples – FL/ EUA e Treinando os Treinadores – SCBJ Memphis – TN/EUA.

 

Dr. Thiago Cesar Ladeira Estefani

Especialidade(s): Joelho

CRMMG: 56953 TEOT: 14706

Graduado em medicina pela Faculdade Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora, o médico realizou sua residência em Ortopedia e Traumatologia no Hospital Mater Dei e especialização em Cirurgia do Joelho pelo Hospital Universitário Ciências Médicas na equipe dos professores Rodrigo Lasmar e Neylor Lasmar. Realizou em Chigado/EUA “Orthopeadic Fellowship Observer” na Rush University Medical Center / RUSH. O ortopedista é membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho, da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte – SBRATE. Dr. Thiago é professor da disciplina de Ortopedia e Traumatologia no curso de medicina na FAMINAS-BH.

Solicite sua Consulta

Após recebermos seus dados, entraremos em contato para confirmar.
Se preferir, ligue: 31 3339-9636 ou via Whatsapp 31 99845-9711

×